O Graal .:. MG

Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Sistema de Status

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

Faelon

avatar
Membro
Membro
Tópico excluído. Mantido apenas para consulta.

Créditos especiais para o Edgard Soares, que me ajudou muito na elaboração do sistema! Baseado no sistema de status do Réquiem (Minds Eye Theatre).

Primeiramente, vou traduzir aqui a técnica do Ars Ordo, depois seguirei com o resto da descrição do sistema!

O texto à seguir é uma tradução livre de http://workshophandbook.wordpress.com/2012/02/18/ars-ordo/ acessado no dia 03/04/2014 às 00:46, horário de Brasília.




Propósito
Resolver conflitos, "status play"/jogo de status.

Instruções
Ars Ordo é uma Meta-Técnica usada para trabalhar relações de status e resolver conflitos sem combates ensaiados/simulados ou violência. A base do Ars Ordo é focar no contato ocular como ferramenta central para estabelecer uma hierarquia de status. A técnica tem três níveis de intensidade.

1) Contato ocular: Quando dois personagens estabelecem contato ocular um combate por status se inicia. Aquele que interromper o contato ocular perde e aceita a dominância do outro na hierarquia. Esses pequenos combates por status acontecerão frequentemente.

2) Físico: Se ninguém quebrar o contato ocular a luta por status intensifica-se. Os jogadores tentarão parecer o mais ameaçadores possível, para fazer com que o oponente se submeta, enquanto ainda mantêm o contato ocular.

3) Som: Se o combate não for resolvido até esse ponto, os jogadores podem utilizar gritos e rugidos para tentar forçar o oponente a se submeter.

4) Movimento: Se nenhum dos jogadores aceitou o domínio a este ponto, os jogadores passam a rodearem-se, enquanto gritam/rugem/insultam a contra-parte. Se ninguém se submeter durante esta fase, os outros jogadores decidirão quem é o vencedor ao colocarem-se atrás daquele que apoiam.

5) Resultado: À medida que o combate por status evolui, ele provavelmente chamará a atenção de outros jogadores, tornado assim a briga um problema público. Quanto mais se avança no combate por statos, maior é a queda se o personagem perde, já que o grupo percebe. O jogador que perder terá de imitar o nível de intensidade de sua perda. Então, no primeiro nível, não é nada mais do que abaixar os olhos, mas no segundo nível é uma aceitação física da derrota. O quarto pode ser por choramingar, ou por diversos pedidos de desculpas. O quarto nível é com todas as formas físicas, som e movimento, e se toda a tribo está envolvida, todos do lado perdedor tem de reconhecer a derrota de alguma forma

Finalização
O exercício acaba quando o grupo tiver tentado toda a escala de intensidade algumas vezes.

Notas sobre facilitação
É importante enfatizar que a parte mais interessante do Ars Ordo é a interação no primeiro nível, já que o jogo de status através do contato ocular cria uma oportunidade de constantemente estabelecer pequenas mudanças de status dentro do grupo.




Agora, compreendendo isso, eu vou introduzir uma escala de status, que será utilizada no jogo. A ideia é que, em conjunto com o Ars Ordo (com uma linguagem mais adaptada a um jogo em uma cidade, e não em uma tribo), os personagens possam definir estas pequenas disputas acrescentando a afirmação da própria Presença (definido em número) como uma ponderação, ameaça, etc (Se você ainda não sacou, estou falando da famosa carteirada). Para isto, serão utilizados sinais de mão, indicando níveis, que devem ser comparados. Para calcular esta Presença, serão utilizados um Nível de Status, assim como modificadores estabelecidos por feitiços ou outros situacionais específicos.

Também é possível impor a Presença com o uso de armas, que é uma ameaça imediata, e tem um valor como sinal de mão completamente objetivo. Ela vale pela forma que se apresenta na situação. Pode ser usada em conjunto com a carteirada por Presença tradicional ou isoladamente.

Um personagem pode sempre impor sua Presença, quando quiser ser obedecido, iniciando ou interrompendo um combate de status. Mas somente é obrigado a declarar ALGUMA Presença se for confrontado. O personagem sempre pode escolher declarar uma Presença mais baixa do que a sua Presença real, de forma a fingir um Nível de Status mais baixo, mas nunca pode declarar uma Presença mais alta do que o seu valor verdadeiro.

Ir contra alguém com um Nível de Status mais alto fará com que seu personagem possa acabar por enfrentar consequências sociais por conta disso. Então é sempre necessário ponderar sobre a disputa.




Níveis de Status


  1. Peão/Servo
  2. Peão/Servo
  3. Cidadão Livre
  4. Cidadão Livre
  5. Administrador
  6. Administrador
  7. Nobreza
  8. Nobreza
  9. Realeza
  10. Realeza


Estes níveis correspondem a diferentes conjuntos de Direitos e Deveres. Caso um personagem vá de encontro a estes códigos, pode sofrer as consequências sociais, e acabar por perder status. Existirão alguns personagens responsáveis pela manipulação do status no jogo, e também algumas outras mecânicas de modificação dos status que serão experimentadas e verificadas posteriormente.

Os Direitos garantem vantagens sobre outros jogadores de status mais baixo.

Os Deveres estabelecem as normas pelas quais o status deve ser mantido.




Por alto é isso, pessoal! Espero que gostem! Ainda tenho muito pra testar sobre o sistema, mas acho que promete bastante dentro de jogo. É bom ressaltar que o status nada tem a ver com cargos burocráticos ou posses, etc.



Última edição por Faelon em Ter Maio 20, 2014 1:48 pm, editado 2 vez(es)

http://graal.forumeiros.net
Compartilhar este artigo em: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

avatar

Mensagem em Qui Abr 03, 2014 6:46 am por Daniel PCz

Interessante pra uma cultura específica.
Por mim, eu ia achar legal que fosse uma daquelas "regras não-escritas", que em nenhum lugar fala que existem, mas todo mundo sabe que sim.

Eu só consigo imaginar um assassino sendo confrontado, desviando os olhos com total indiferença e seguindo em frente, passando até a esbarrar no confrontante. Mais tarde ele resolve com um assassinato, se precisar. E depois ele volta pra sua toca, onde ele tem todo o respeito que ele poderia ter de seus companheiros assassinos.

Mas eu também consigo imaginar um jogo construído só em volta dessa mecânica, principalmente por causa das resoluções políticas.

avatar

Mensagem em Qui Abr 03, 2014 4:14 pm por Faelon

Isso será usado em todas as culturas. A diferença será na linguagem corporal e tudo o mais. O Status será contado em cada Sociedade específica. No caso, haverá um Status entre os Igne e um Status entre os Fae, nesse inicio de jogo. Um personagem só começa com status dentro da própria raça, é claro! O que significa Status 0 nas outras Raças.

O status será delegado no inicio do jogo, assim como as posições dentro da sociedade. Depois, o jogo vai rodar com a galera se virando em cima disso.

Tem detalhes do sistema que eu ainda não expliquei, que serão vistos na testagem. Eu pretendo testar esse domingo, com quem se interessar. É claro que o sistema vai estar dentro de todos os outros esquemas de jogo, o que vai deixar as coisas mais quentes. =]

E você tem razão. Habilidade de jogador e de personagem fazem completa diferença sim! ^^ Mas a questão é que uma parte dos personagens vai estar totalmente dedicada a manter essa ordem social funcionando.

Mensagem  por Conteúdo patrocinado

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum